O ginasta, campeão olímpico nas argolas, sonha com o título inédito, mas não quer sentir pressão demais: ‘Estou tranquilo, vou fazer minha parte, dar o máximo’

São Paulo – Os dias do ginasta Arthur Zanetti em Antuérpia, Bélgica, têm seguido uma rotina – treinos leves, descanso, alimentação adequada e, a cada dia que se aproxima a estreia no Mundial de Ginástica Artística, aumenta o foco no objetivo: ir ao pódio em sua principal competição do ano. Zanetti, acompanhado pelo técnico Marcos Goto, desembarcou em Antuérpia – onde o Brasil disputou os primeiros Jogos Olímpicos de sua história, em 1920 – na terça-feira (24/9). As qualificatórias para a ginástica masculina serão segunda e terça-feira (30/9 e 1/10), com a final das argolas no dia 5. 

“É o grande objetivo do ano. A expectativa para este Mundial é conseguir trazer uma medalha. Gostaria que fosse a de ouro,uma conquista que ainda não tenho, mas estou tranquilo. Vou fazer a minha parte, dar o máximo de mim e o resultado vai ser consequência”, disse Arthur. “Não vou botar nem mais nem menos pressão do que em outras competições importantes, mas sim a pressão adequada para que eu consiga fazer bem os elementos.”

O ginasta, que é paulista de São Bernardo do Campo e treina em São Caetano do Sul, na SERC/Santa Maria, tem 23 anos. Entre seus objetivos estão dois títulos inéditos: o mundial e o pan-americano. Arthur acha que pode competir até os 30 anos e observa que ainda tem tempo para buscar os dois ouros que faltam em sua coleção.

Este ano, Arthur foi campeão nas argolas em todas as competições que disputou: etapas da Copa do Mundo de Doha (15.800 pontos) e Anadia (15.800), Universíade de Kazã (15.975), Jogos Regionais (15.750) e Brasileiro (15.800).

Arthur Zanetti é atleta da SERC/Santa Maria, tem patrocínio da Sadia, Furnas e CAIXA e apoio do Ministério do Esporte (Bolsa Atleta).