Por causa da pandemia da COVID-19, o ginasta campeão olímpico, está se mantendo ativo enquanto acompanha também a gravidez da mulher na expectativa do nascimento do primeiro filho

84c80614-4c57-4ba0-917b-de9039e05ae0

São Caetano do Sul – O ginasta Arthur Zanetti está em quarentena, em casa, desde que retornou da temporada da seleção – interrompida no meio da disputa da etapa da Copa do Mundo de Baku, Azerbaijão, em 14 de março. Arthur, que anunciou pelas redes sociais, juntamente com a mulher Jéssica, que vai ser pai de um menino pela primeira vez em alguns meses, está mantendo a preparação física com exercícios em casa.

O campeão olímpico e mundial, que completou 30 anos neste 16 de março, também aproveita a quarentena para acompanhar a evolução da gravidez da mulher Jéssica. Seu primeiro filho, Liam, nascerá em alguns meses. “Estou motivado com a notícia da vinda do meu filho,muito feliz. É um fator motivacional enorme. Acho que vou conseguir levar o filhão para as Olimpíadas.”

O ginasta estava com a seleção brasileira em Baku e já havia até mesmo disputado a qualificação das argolas no dia 12 de março quando os organizadores da etapa da Copa do Mundo interromperam a competição no meio, por causa da pandemia da COVID-19. A seleção ainda iria para a etapa de Doha, no Catar, marcada para o período de 16 a 22/3, mas a entrada no país foi fechada e a competição cancelada.

De volta ao Brasil, Arthur, assim como todos os ginastas e outros atletas, viu seu ginásio de treino ser fechado por causa da pandemia e passou a trabalhar em casa.

“Minha rotina de treino no momento está baseada em preparação física específica da ginástica. Eu monto o treino do dia e faço os exercícios. Nem preciso de planilha do meu técnico Marcos Goto porque já tenho experiência. Não tem um tempo específico, mas é em torno de 50 minutos a 1h20 de exercícios. A quarentena é uma forma de a gente se resguardar até essa pandemia passar”, afirmou o campeão olímpico nas argolas em Londres/2012 e medalhista de prata no mesmo aparelhos nos Jogos do Rio/2016.

O foco é em manter o condicionamento físico, mas Arthur alertou que “não é possível estar com o corpo a 100%” como seria se estivesse cumprindo sua rotina diária. “No ginásio, tenho os aparelhos oficiais, os aparelhos auxiliares, toda a aparelhagem da musculação. Em casa, eu tento reproduzir os mesmos exercícios que faço no ginásio, mas adaptados, utilizando sofá, cadeira e outros objetos de casa, mas sem fazer a parte técnica”, explicou.

A preocupação só não é maior porque “não estamos mais nos preparando para nenhuma competição no momento.Pelo fato de as Olimpíadas terem mudado de data, para o ano que vem, a gente vai ter que estar 100% em 2021.”

O ginasta entende que o adiamento dos Jogos Olímpicos era mesmo necessário por causa do surto do coronavírus, mas disse que ficou frustrado porque estava numa preparação avançada e boa para competir em julho.

Arthur Zanetti é atleta da SERC/Agith/São Caetano, tem patrocínio da adidas, Caixa, FAB e Bolsa Atleta do Governo Federal.