O ginasta brasileiro, único campeão olímpico da modalidade, nas argolas, terá rivais duros na briga por um lugar no pódio do aparelho em Antuérpia

São Caetano do Sul – O ginasta Arthur Zanetti se apresenta no Palácio dos Esportes de Antuérpia, na Bélgica, para brigar por medalhas na final das argolas do 44º Mundial de Ginástica Artística, neste sábado (5/10). A programação das finais por aparelhos no masculino começa às 9h30 (de Brasília), mas a apresentação nas argolas está marcada para as 11h35 (horário de Brasília, com transmissão do SporTV). Depois da inédita medalha de ouro olímpica que conquistou nos Jogos de Londres/2012, Arthur passou a ser apontado entre os favoritos para o título mundial. Mas prefere a cautela, diante de adversários igualmente poderosos.

Para o técnico Marcos Goto será uma final “digna de um Mundial” a disputa de medalhas nas argolas. “Nesta disputa estão oito dos dez melhores atletas das argolas do mundo. São grandes competidores, alguns já renomados e outros se projetando no cenário mundial, já de olho nos Jogos Olímpicos de 2016. São ginastas técnicos e, com certeza, devem ser respeitados e acompanhados bem de perto por todos até a Olimpíada do Rio”, observou.

“São todos adversários duros, não será fácil. Mas estou tranquilo para tentar fazer a minha parte, a melhor apresentação possível e o resultado será consequência”, disse Arthur, de 23 anos, paulista de São Bernardo do Campo, que treina na SERC/São Caetano, também no ABC, com o técnico Marcos Goto há mais de 15 anos.

Na qualificação, realizada na terça-feira (1/9), o ginasta obteve nota 15.733 nas argolas, a segunda melhor entre os 136 participantes – o chinês Yang Liu ficou em primeiro, com 15.866. Os outros seis qualificados para a decisão de medalhas são Brandon Wynn (EUA, 15.700), Aleksandr Balandin (RUS, 15.600), Lambertus van Gelder (HOL,15.566), Samir Ait Said (FRA, 15.566), Danny Pinheiro Rodrigues (FRA, 15.566) e Koji Yamamuro (JAP, 15.500).

No Mundial de Tóquio (JAP)/2011, Arthur Zanetti foi vice-campeão nas argolas (15.600) e, no Mundial de Londres (ING)/2009, o quarto colocado no aparelho (15.325). Nos Jogos Olímpicos de Londres, Arthur teve nota 15.900.

Apesar de ainda não ter o título mundial, o ginasta confirmou que não recebe mais pressão por resultados do técnico Marcos Goto, conhecido por ser rigoroso, depois do ouro olímpico. “É verdade. A cobrança é minha mesmo, o desejo de querer continuar a ter bons resultados e mostrar o esporte, a ginástica, para o Brasil. Eu é que me cobro”, disse Arthur, que gostaria de ter os títulos mundial e pan-americano, mas disse que tem até os 30 anos para chegar a esses objetivos. “Tenho até 2016 e até mais, já que estou com 23 anos. Nos próximos anos, o importante vai ser o Mundial de 2015, que vale a vaga olímpica por equipe que o Brasil tanto quer.”

Este ano, Arthur foi campeão nas argolas em todas as competições que disputou: as etapas da Copa do Mundo de Doha (15.800 pontos) e Anadia (15.800), a Universíade de Kazã (15.975) – ficou com o bicampeonato universitário -, os Jogos Regionais (15.750) e o Brasileiro (15.800), essas duas últimas competições que fez pelo clube, a SERC, e pela cidade, São Caetano do Sul.

Arthur Zanetti é atleta da SERC/São Caetano, tem patrocínio da Sadia, Furnas, adidas e CAIXA e apoio do COB e Bolsa Atleta/Ministério do Esporte.