Campeão olímpico teve a melhor nota da competição no solo e nas argolas e está entre os três ginastas que defendem São Caetano neste domingo (24/6)

340412_802755_36035705_1761405367269256_7514571396370923520_n

São Bernardo do Campo – O campeão olímpico Arthur Zanetti não é um generalista, mas se apresentou nas argolas, no solo e no salto, com boas notas, no Campeonato Brasileiro de Ginástica Artística Adulto e Infantil, para ajudar a SERC/Santa Maria, de São Caetano do Sul, na disputa por equipes. Foi à final dos três aparelhos na disputa por equipes, neste domingo, (24/6), a partir das 8 horas, no Ginásio Poliesportivo Adib Moysés Dib (Av. Kennedy, 1155, Parque Anchieta, São Bernardo do Campo), com entrada franca.

Na qualificação de sexta-feira (22/6) Arthur Zanetti fez 15.200 nas argolas (1º no geral), 14.400 no solo (1º no geral). Neste sábado (23/6), tirou 14.450 no salto (2ª posição no geral).

“A competição por equipe é diferente – são três ginastas, três notas, você errou, acabou, entra a nota com queda. Então, não é a disputa de quem faz mais ginástica, mas sim de quem estiver mais seguro e tranquilo. É o que vou tentar passar para o pessoal de São Caetano. É ter tranquilidade, fazer o que está sendo feito nos treinamentos, e curtir a competição que tem uma adrenalina diferente, gostosa.”

Arthur analisou as suas apresentações. “Fiz uma boa série nas argolas, mas fiquei mais feliz pelo solo – tinha uma diagonal que eu estava errando bastante – e neste Brasileiro consegui fazer bem. Acho que foi a melhor diagonal que eu fiz na minha série de solo. O salto foi muito bom, também gostei – teve um pulinho, pequeno -, mas no geral a execução do salto foi boa. Tanto a minha participação quanto a da equipe de São Caetano foram boas”, avaliou Arthur Zanetti.

O ginasta avaliou como importante a disputa do Brasileiro de clubes. “Sempre representamos o Brasil em competições internacionais, mas quem criou a gente foi São Caetano, o meu clube. O Brasileiro é quando posso representar o meu clube e também para divulgar mais a ginástica – é muito bom ver crianças na arquibancada.”

Arthur também acha importante juntar atletas da categoria infantil e adulto numa mesma competição. “Eles têm de chegar um pouco antes para se preparar e ficam na arquibancada vendo a nossa competição. Acabam observando e isso para eles é um incentivo maravilhoso.”

Ele também gostou da iniciativa da arbitragem, neste Brasileiro, de dar o bônus de um décimo na nota final para os atletas que cravarem a saída. “Isto é bom porque nas competições internacionais nós perdemos muitos pontos nas saídas. Quando você crava, além de chamar mais a atenção para a série, não tem desconto. O incentivo é bom porque força os atletas a cravar – a gente treina muito isso no ginásio. Acabei ganhando esse um décimo e o objetivo é sempre chegar à perfeição.”

Atualização – A final por equipes do Campeonato Brasileiro de Ginástica Artística não foi realizada por um problema na iluminação do Ginásio Poliesportivo Adib Moysés Dib. Por questão de segurança, atletas e técnicos decidiram encerrar a disputa.

“Em primeiro lugar, está a segurança dos atletas. Alguns movimentos na barra fixa, principalmente de largada e retomada, poderiam ser perigosos com pouca luz. Talvez a saída das argolas pudesse também ser um problema, mas acho que o principal seria a barra. Por questão de segurança, atletas e técnicos conversaram e decidiram não competir. A segurança vem em primeiro lugar.”

A disputa por equipes será retomada em data a ser definida e divulgada pela Confederação Brasileira de Ginástica.

Arthur Zanetti é atleta da SERC/São Caetano, tem patrocínio da adidas, Caixa, FAB e Bolsa Atleta/Ministério do Esporte e apoio da Spieth e Eurotramp.

Saiba mais: www.facebook.com/ArthurZanettiOficial e https://instagram.com/arthurzanetti.